terça-feira, 28 de novembro de 2017

Ensaio Sobre Felicidade...

Você é feliz?
Felicidade é o sentimento mais subjetivo e o mais almejado na nossa vida. Logo que começamos a entender quem somos e o que é o mundo, já começamos nossa busca incessante pela felicidade. 
E por mais que a felicidade não seja receita de bolo, é isso que nos colocam na cabeça, de uma forma ou de outra ao longo da vida. 
No meu caso, por exemplo, sempre que eu estava triste, alguém vinha e me falava algo do tipo "mas porque ficar triste por isso? Olha a vida que você tem, você tem emprego, casa, saúde, família... Você deveria estar feliz, tem muita gente que não tem nem isso." 
Analisando minha vida, hoje, eu vejo o quanto essas palavras deturparam minha visão de felicidade e é sobre essas coisas que vou falar hoje. 
Porque primeiro: Tristeza não é antônimo de felicidade, você pode sim ser feliz e se sentir triste por determinada situação em dado momento da sua vida e está tudo bem. 
Segundo: A felicidade não depende de fatores externos. 
 Na minha busca pela “felicidade” eu fui por muito tempo "infeliz". Na realidade eu queria ser feliz e porque minha vida era boa eu não me permitia sofrer. E por achar que quem tem uma vida boa obrigatoriamente é feliz, eu comecei a procurar falhas na minha vida para justificar minha “não felicidade plena”. Eu dizia para mim mesma que eu ainda não era feliz por causa dos problemas que eu estava tendo, ou por causa das coisas que eu queria e não podia ter. Hora me faltava um diploma, hora me faltava um amor, ou então me faltava dinheiro, perder uns quilos, "ah eu se eu não tivesse esse nariz estranho ou fosse mais baixa"... E assim eu ia indo, justificando a minha tal felicidade que nunca chegava. 
Foi só nesse ano que tudo fez sentido. Que as mudanças vieram e que as compreensões como um véu me caíram uma a uma. 

Eu estava num mês muito difícil, onde, de uma hora pra outra na sala de terapia eu abri a caixa de Pandora e comecei a sofrer. Sofrer de verdade. Sofrer todos os dias. Sofrer contra a minha vontade. E eu ainda sofria duas vezes, uma pelo sofrimento em sí e outra por estar "me permitindo" sofrer daquela forma. E foi horrível, eu sofria por tudo o que eu não sofri ao longo desses 28 anos. Simplesmente me doía cada mágoa que guardei, cada palavra ruim que ouvi, cada dor que ficou calada em mim em algum momento da vida, incluindo coisas que me aconteceram quando eu tinha 5 anos de idade, ou nem isso.  Eu estava à flor da pele, era só alguém falar "oi, tá tudo bem?" que eu começava a chorar sem conseguir parar ou controlar.
Num dia desses de bad resolvi pesquisar sobre países, porque era algo que me fazia distrair e sentir melhor. Foi quando descobri sobre um pais chamado Butão, que de acordo com a internet (e se está na internet é verdade) é onde moram as pessoas mais felizes do mundo. 
Pesquisando descobri que Butão é um pais super fechado, onde até 10 anos atrás não tinha nem televisão, quando muito luz. Logo pensei naquela frase clichê de "dinheiro não traz felicidade", mas só isso não me convenceu e continuei pesquisando. Achei um relato sobre um cara que ficou um bom tempo lá aprendendo sobre a cultura local e de acordo com o relato dele, dentre várias outras coisas, lá as pessoas são felizes porque ao contrário de nós ocidentais, que buscamos terapia e remédios para evitar o sofrimento, elas não fogem do sofrimento. Elas abraçam ele. Elas são condicionadas pelos seus próprios costumes a pensar na morte pelo menos 5 vezes por dia e a enxergarem a morte como uma condição humana, a não temer ela e a estarem preparadas para o dia em que elas deixarem de existir. Uma das coisas que mais assustam as pessoas que conheço é para elas o que deveria ser para todos, apenas mais uma parte da vida.
Sim o sofrimento faz parte da vida. A gente já nasce apanhando e chorando e isso não quer dizer que a gente seja infeliz. Infeliz é a nossa percepção de felicidade achando que não há espaço para dor e sofrimento numa vida feliz. 
Foi a partir daí que as coisas começaram a fazer sentido para mim. Aquele foi um mês bem bosta, mas foi essencial para que as coisas melhorassem de vez. 
Foi então que comecei um processo de aceitação e mudança bem drástico.
Sobre a aceitação:
Eu parei de resistir, de “sofrer por estar sofrendo”. Eu chorei o que precisava, desabafei o que o que podia e não podia e num desses desabafos me foi dito para que eu nunca mais evitasse sofrer, porque a dor não iria embora só porque eu me negava a sentí-la. É preciso viver, sentir e deixar ir toda a magoa e sofrimento. 
Você tem todo o direito de estar triste porque ainda não conseguiu sair da casa dos pais, ou porque não conseguiu passar numa prova importante, porque você foi injustiçada, porque alguém querido lhe magoou, ou simplesmente porque a pessoa que você ama foi embora. Mas é preciso entender que essa tristeza não pode tomar conta de quem você é, nem tirar a sua paz de espírito. A vida é muito maior do que um problema, ou um sofrimento.
Através da aceitação vieram mais três coisas que foram essenciais para minha melhora: maturidade, amor próprio e meditação.
É preciso maturidade para entender que nem tudo vai sair da forma como você quer e que tudo bem se sentir frustrada. 
É preciso amor próprio para cultivar hábitos que façam bem para o seu corpo e alma. Para enxergar o que está te fazendo bem e o que só está te machucando e trazendo frustrações desnecessárias.
É preciso meditação para seguir os planos sem ter ataques de ansiedade. Aprender a viver um dia de cada vez. 
Depois da aceitação veio a mudança, de nada adianta não se sentir bem com alguma coisa e não fazer nada para muda-la. Mas isso só veio depois de muita relfexão, até eu perceber onde eu estava e onde eu queria chegar.
Eu mudei costumes, parei de impor a mim obrigações sociais que não me acrescentavam, nem me faziam feliz.
Virei vegetariana, e me surpreendi muito porque passei a me alimentar de forma mais saudável do que antes quando comia carne e vivia de bife com arroz.
Mudei de casa, porque um espaço só meu já era uma necessidade na minha vida.
Me afastei de algumas pessoas, porque não havia mais sentido em continuar ao lado delas. Magoei pessoas, porque quando se está num processo de mudança é esperado que você pense em você em primeiro lugar, que você tenha atitudes egoístas e que você magoe muita gente nesse processo. Porque somos humanos e o humano é falho.
Me perdoei. É preciso se perdoar assim como é preciso perdoar quem te magoa, porque não somos perfeitos e ao longo do caminho a gente tropeça e muito. Faz parte do aprendizado. 
Fiz uma viagem sozinha, descobri lugares, culturas, vivi aventuras que fizeram eu expandir meus limites e descobrir potenciais em mim que nem imaginava possuir.
E foi quando eu me reformulei, depois de todas essas coisas, que as coisas começaram a ficar boas, boas até demais... De repente me vi feliz. 
Feliz de verdade, daquelas alegrias que você tem vontade de sorrir para todas as pessoas. Um estado de felicidade e paz de espirito tão grandes que o mau humor não dura, o pessimismo não se cria, seus erros são perdoados e suas particularidades são motivos de orgulho por compor seu jeito de ser.

Então eu senti muito medo.
Comecei a ficar com medo e a falar para os meus amigos que eu tinha receio que algo começasse a dar errado, porque estava tudo muito bem.
Eu finalmente estava feliz, em paz comigo mesma e achava que logo algo muito ruim aconteceria. 

Ontem eu voltava para casa quando me dei conta de que esse medo todo nada mais era do que um resquício daquela ideia antiga de que a felicidade está nas coisas boas que possuímos.
Eu olhei mais atentamente para a minha vida e vi que na realidade minha vida não tinha mudado tanto assim e não estava a oitava maravilha do mundo. Eu ainda gasto mais do que ganho, ainda não tenho uma relação boa com minha família, ainda estou uns bons kg acima do peso “ideal”... No fim das contas o que mudou para melhor não foi minha vida, fui eu.
O que melhorou foi a forma como eu encaro a vida. E por isso sou feliz.
Eu aprendi a separar as coisas e os sentimentos. Hoje eu sei que posso ficar triste por algo ruim que aconteceu, mas isso não quer dizer que eu estou infeliz. Eu só fico triste pela coisa x, eu sofro por aquilo, depois eu sigo em frente. A vida não é sofrer. 
Se eu tenho dividas eu deito à noite e penso “ok. Fiz meu planejamento, uma hora a dívida termina. Por mais que eu não durma, amanhã a dívida ainda vai estar lá, não há porque perder o sono com isso hoje. 
Se eu brigo com alguém que eu amo, eu tento deixar claro que pessoas são imperfeitas, possuem opiniões e percepções diferentes, mas que enquanto houver amor não tem porque uma briga estragar um dia, não tem porque negar apoio numa hora difícil, um abraço num momento de conforto ou uma palavra amiga para abrir sorrisos. Se há vontade de permanecer na vida um do outro que seja leve.
Se vejo que ganhei alguns quilos, logo penso que foi com uma comida saudável e tudo bem não ter o corpo das modelos. Tudo bem não vestir 38, nem entrar mais tão bem naquela calça. Meu corpo é lindo do jeito que ele é e eu preciso enxergar cada dia mais isso. Se eu não me amar, como outra pessoa vai? A mudança começa de dentro. 

Hoje eu falo com plenitude que sou feliz e isso não significa que eu não tenha problemas, ou que minha vida seja perfeita. Ela não é e nunca vai ser, mas agora minha felicidade não depende de fatores externos para existir. Minha felicidade depende só de mim e de como eu acordo de manhã e escolho interagir com o mundo, porque a partir do momento que a minha felicidade depender de um objetivo, ou de não ter problemas para existir ela nunca de fato existirá.
No fim das contas há felicidade também na tristeza, pois é com ela que vem as percepções que só os momentos de alegria jamais nos proporcionariam. 

Leve um dia de cada vez, respire fundo. A vida é bela sim, você só precisa aprender a enxergar ela de uma forma mais leve e bonita.

E seja feliz independente do que aconteça. Você merece.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

O Controle Remoto...

Ansiedade, preguiça e desatenção, desses três defeitos que eu possuo não sei qual deles é o pior.
Mas o fato é que, se não fossem por eles eu teria economizado um bom dinheiro esse final de semana.
Há mais ou menos uns quatro meses (para mais do que para menos) que eu perdi o controle remoto da minha TV.
Pode parecer bobagem, mas é realmente um saco ter que levantar para ajeitar o volume, mudar o canal e quando bate o sono desligar a TV.
Há umas duas semanas eu deixei a preguiça de lado e virei o quarto do avesso atrás dele. Encontrei a tampinha de pôr a pilha, mas o controle não.
Esse final de semana eu precisava ir ao centro para comprar um sapato e ao passar por uns vendedores ambulantes lembrei do querido controle.
Fui até uma lojinha em que vendiam controles e solicitei um:
- Bom dia, queria um controle remoto para TV Sony.
- Qual o modelo da sua TV?
- Não sei, mas meu controle era igual aquele ali.
- Aquele ali é para DVD e não TV.
- Mas é igual.
- Então leve esse, qualquer coisa tu troca.
Paguei, agradeci e fui pra casa. Coloquei as pilhas e nada da TV ligar.
Fiquei irritada e resolvi voltar lá no centro imediatamente para trocar o controle, antes que a preguiça batesse.
Fui pra parada, entrei no ônibus, 20 depois, quando eu estava chegando no centro, lembrei que havia deixado o controle que comprei na frente do móvel da TV.
Respirei fundo, ansiosa já para acabar com essa “novela”, liguei o foda-se e entrei na loja pra comprar outro controle. Azar. Ia resolver aquilo naquela tarde!
Entrei na loja pela segunda vez:
- Olá, o controle não funcionou e eu esqueci ele me casa, preciso de outro.
- Qual o modelo da TV?
(Respirei fundo pela segunda vez. Eu tinha esquecido de ver essa merda também)
- Esqueci de olhar. Me dá um que tu saiba que é certo que vai funcionar.
Comprei o segundo controle e fui pra casa.
Chegando em casa estava meu irmão mexendo na tv com o PRIMEIRO controle que comprei. Eu tinha apenas posto as pilhas errado.
Respirei fundo pela terceira vez naquele dia e aceitei que tinha gasto 35 reais a mais sem necessidade por ser ansiosa e desatenta.
No dia seguinte resolvi fazer um almoço bem legal para meu irmão e fui no mercado comprar os ingredientes. Num dos corredores vi aqueles “Vanishs” em promoção e lembrei que tinha algumas roupas brancas para lavar e que eu não lavava por falta de Vanish. Comprei.
Quando cheguei em casa percebi que a embalagem de Vanish estava furada e metade do conteúdo tinha vazado na sacola.
QUE FINAL DE SEMANA MEUS AMIGOS!
Peguei aquela sacola do mercado, com raiva da vida já e despejei o vanish vazado num balde. Abri o balaio de roupas brancas e comecei a jogar as blusas no balde com certa agressividade.
Eis que quando puxo um lençol branco do balaio voa longe o Bendito controle, perdido há mais ou menos quatro meses.

Fim.

Pensando melhor, meu pior defeito com toda a certeza é a preguiça, porque se eu tivesse com minha roupa lavada em dia, nunca teria ficado mais de 4 meses sem controle e ainda teria economizado R$ 65,00 reais.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Em meados de abril...

Que lição me traz o vento
Que trazia teu perfume tão doce
E hoje passa tão alheio
Quanto tua saudade do meu nome

Quando a porta se fechou
Nada se ouviu
Nenhuma lagrima rolou
Em meados de abril

Não há mais lírios na janela,
Não há mais cartas no portão
A mesma luz que iluminava a blusa dela
Hoje é sombria escuridão

Foi felicidade que passou
Foi uma folha que caiu
Foi o outono que chegou
Em meados de abril

segunda-feira, 31 de julho de 2017

É preciso liberdade para compreender...

Eu estava em busca da minha liberdade quando te encontrei. Me vi pela primeira vez livre e ao mesmo tempo amando com cada pequeno órgão do meu corpo.
Ao entrar em minha vida você foi um sonho bom, como quando sonhei que tinha ganhado uma passagem para Londres e chegando lá estavam gravando um filme do Tarantino. Aquele sonho que você acorda desejando que tivesse sido verdade. Que fosse verdade um dia. Mas nunca é.
Te conhecer não foi tão bonito assim. Não foi poesia, nem sonho bom. Mas foi real. Foi ter a pessoa dos meus sonhos em carne e osso. Com mais erros que acertos, com mais indiferença que cuidado, com mais silencio que diálogos, com mais saudade que abraços, com mais desculpas que surpresas, com mais fantasias de um final feliz do que com a realidade de um sonho bom.
Palavras soltas sobre sentimentos mantidos presos por tanto tempo que já se cobrem de pó nas estantes do peito. Guardados na tentativa de sufocar a dor de não ter reciprocidade nos olhos de quem se ama.
Sabemos que a dor nunca vem sozinha, junto dela sempre vem um aprendizado. Mas é preciso aprender a libertar-se. Não só o corpo, mas também o que se sente.
Só no exercício da liberdade compreendemos por inteiro.
E foi quando me libertei que aprendi que cada um oferece o que tem.
Então perdoei a mim mesma por ter aceitado tão pouco, me desculpei com você por ter exigido muito mais do que você jamais seria capaz de me dar e segui meu caminho.
Porque a vida sempre segue.
Por mais difíceis que sejam alguns dias, a vida é realmente linda e ela te ensina a viver se você viver tempo suficiente para aprender.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Tudo o que pertence aprisiona...

As pessoas anseiam por ter sua liberdade roubada. É algo que não entendem, que possuem e não sabem o que fazer com ela. É o tesouro da leveza de espírito e da consciência que é entregue ao outro sem arrependimentos, por vontade própria.
Porém a necessidade de controle remanesce e para fugir da loucura que o descontrole trás, fazemos uso da liberdade alheia para nos trazer equilíbrio. Podamos o que (ou quem) achamos desnecessário, acrescentamos o que achamos essencial. Moldamos o outro à nossas próprias vontades como se não dispuséssemos de um corpo próprio e inteiro 24h por dia para tomar conta.
Na verdade não ansiamos pelo roubo, ansiamos pela troca.
Parece tão mais amplo e mágico poder controlar o que o outro faz que acabamos por nos ocupar cada vez mais do outro e esquecer cada vez mais de nós mesmos. Afinal, o outro precisa atender às nossas idealizações para ser amado.
Nos preocupamos tanto em controlar o outro e nos deixar controlar que esquecemos de que tudo o que pertence aprisiona.
É a conveniência que encobre a posse.
O possuir traz sensação de falso poder, falsa autoafirmação, pois nada é teu de verdade.
A única coisa que de fato lhe pertence é consciência do que é o mundo e quem somos nele.
E quem somos afinal, se não paramos para nos olharmos no espelho e enxergar quem realmente somos? Se não dedicamos tempo para nos transformarmos em quem realmente queremos? Se não nos permitimos controlar nossa própria liberdade com a finalidade de conhecer (e expandir) nossos limites?
Como amar a si mesmo se sequer sabemos quem somos?
Mas preferimos deixar isso como tarefa do outro, que também foge da própria percepção na ilusória procura de si mesmo num corpo alheio.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Coragem, Força e Completude...

Era uma vez um rapaz e uma moça que tiveram seus caminhos lado a lado por um tempo de suas vidas, mas que foram se distanciando com o passar dos dias.
Ele seguiu seu caminho, deixou ela para trás. Já ela jamais o esqueceu, por mais longe que os caminhos estivessem, ela sentia como se seus corações estivessem lado a lado.
Os anos passaram.
Um belo dia ela, que por tanto tempo tinha sido feliz com o fantasma da presença dele, acordou inquieta. E cansada de alimentar seu amor com esperança, pensamentos e fantasias, marcou um encontro com ele.
O Relógio corria depressa naquele dia, junto com a ansiedade e um outro sentimento ainda incompreendido dentro dela.
Depois de tanto tempo eles se veriam de novo.
Seria tudo como nos velhos tempos? Seria tudo mais frio? A intimidade que sempre se fez tão intensa ainda se faria presente? Haveria mais silencio do que diálogos?
Ela respirou fundo, o coração batia nervoso.
Ele chegou, sorriu e entrou.
Não houve silencio, ou desconforto. Praticamente tudo o que sempre existiu ainda ali permanecia. Menos o essencial, mas isso era apenas um detalhe naquele momento.
O dia amanheceu.
Ela despertou e junto dela uma certa inquietação.
À tarde ele resolveu ir embora. Ela então sentiu o que esteve presente desde o início, sutil demais para se apresentar com força.
O fim.
Eles se despediram, ela olhou ele nos olhos e pediu mais um beijo. Lá no fundo agora ela entendia, aquele seria o último.
Ela foi para o quarto e chorou. Chorou como há muito tempo não chorava. Não por ele, mas pela sensação de vazio que havia dentro dela. Era um vazio tão grande, como se existisse literalmente um buraco do tamanho de uma bola de basquete no peito dela.
Ela não entendia o que significava aquela sensação, ela se culpava por ter visto ele, pois até então as coisas estavam bem.
No outro dia quando acordou o vazio permanecia ali.
“Como lidar com isso? ”, ela se perguntava, ela simplesmente não sabia o que fazer com tanto vazio dentro dela. Era angustiante demais se sentir assim. Não havia vontade de nada dentro dela.
Ela já não queria trabalhar, sair de casa, ver pessoas, interagir com o mundo. O vazio a tomou por inteiro.
Primeiro ela decidiu apenas aceitar e conviver com aquilo, mas lhe era ruim demais.
Então ela resolveu preencher aquele vazio de alguma forma.
Ela procurou os amigos, o carinho deles, o sorriso, os brindes. Não adiantou, pelo contrário, em certos momentos ela sentia até um certo desconforto em impor a sí mesma uma interação social que lá no fundo ela não queria.
Ela decidiu, por fim, preencher o vazio com ela mesma. Mesmo sem vontade ela voltou a fazer as coisas que ela gostava. Estudar música, ler em cafés, ir ao cinema sozinha, praticar esportes. Ela se ocupou tanto de si mesma que mal sobrava tempo para os amigos. Ela se perdoou por isso e resolveu não se obrigar a mais nada. Ela só saia quando ela realmente queria ver um deles. E os via um de cada vez, aproveitando ao máximo a cia de quem ela gostava.
E o buraco aos poucos foi diminuindo até que um dia ela acordou e conseguiu, finalmente, respirar fundo de novo. Se sentindo inteira, completa e em paz.
E ao respirar em paz ela entendeu tudo de forma clara e se sentiu realmente feliz por ter feito aquele convite há meses atrás.
Quando a gente ama alguém e cultiva sentimentos por esse alguém, esses sentimentos vão crescendo e ocupam espaços dentro de nós que nem sequer imaginamos. E é quando dizemos adeus definitivamente que descobrimos, é quando o outro vai embora que percebemos tamanho do vazio que ele deixou. Por isso que é tão difícil dizer adeus. Nós temos medo do vazio que ficará dentro do peito e de não sabermos qual a melhor forma de preenche-lo.

É preciso coragem para deixar ir.
É preciso força para seguir em frente.
É preciso completude, pois só quando se é inteiro se é feliz de verdade.

A felicidade anda em par...

A primeira vez que te vi
Tua beleza me deixou boba
Tamanha alegria que senti
Te dei meus olhos pra tomares conta.

Te ver foi encanto
Foi canto
Melodia em piano

Em meus olhos és fantasia
Duas luas tocando o mar
Na minha boca poesia
Embriagada de luar.

Cada traço,
Risco de compasso
Que me fazem suspirar

Quisera eu poder te admirar
de aurora a aurora
Enamorar a memória
Para te poder sonhar

És distração
Meu devaneio a cada entardecer
Sentimento que faz fugir a razão
Porque lembrar é não ver.